Visualizar:

▼ Texto
  • O Empreendedorismo no Mundo - Origens e Definições

    28

    Jan
    28/01/2010 às 21h26
    O empreendedorismo em termos acadêmicos é um campo muito recente, com cerca de vinte anos, tendo aumentado muito a quantidade de cursos nessa área nos últimos tempos. (DOLABELA, 1999a) diz que em 1975, nos EUA, existiam cerca de cinqüenta cursos. Em 1999 haviam mais de mil, em universidades e escolas de segundo grau, ensinando Empreendedorismo.
    As pesquisas nessa área são muito novas. Na maioria dos casos estão relacionadas com pequenas empresas, e sua importância para a economia do mundo atual.”Esse ramo de conhecimento está ainda em fase pré-paradigmática, já que não existem padrões definidos, princípios gerais ou fundamentos que possam assegurar de maneira cabal o conhecimento”. Demorará ainda muito tempo para atingir uma base científica, apesar de ser um campo efervescente em termos de pesquisa e publicações (DOLABELA, 1999a, p. 37)
    Uma definição preliminar para o termo empreendedorismo, conforme relatado por Hisrich (2004), pode ser atribuída a Marco Pólo, o qual tentou estabelecer uma rota comercial para o Extremo Oriente. Como empreendedor, Marco Pólo assinou um contrato com um homem que possuía dinheiro (hoje conhecido como capitalista) para vender as mercadorias deste. Um contrato comum na época oferecia um empréstimo para o comerciante aventureiro a uma taxa de 22,5%, incluindo seguro. Quando o comerciante aventureiro era bem-sucedido na venda das mercadorias e completava a viagem, os lucros eram divididos, cabendo ao capitalista a maior parte (até 75%), enquanto o comerciante aventureiro ficava com os 25% restantes. O capitalista da época era alguém que assumia riscos de forma passiva enquanto que o aventureiro empreendedor assumia papel ativo, correndo todos os riscos físicos e emocionais.
    Na Idade Média, o termo empreendedor foi utilizado para aquele que gerenciava grandes projetos de produção. Sendo que este não assumia grandes riscos, apenas gerenciava os projetos através da utilização dos recursos disponíveis, quase sempre oriundos do governo em questão. Um típico empreendedor da Idade Média era o clérigo – pessoa encarregada de obras arquitetônicas, como castelos e fortificações, prédios públicos, abadias e catedrais.
    A palavra empreendedor (entrepreuneur) foi utilizada pela primeira vez na língua francesa no início do século XVI, para designar os homens envolvidos na coordenação de operações militares. A primeira relação efetiva entre assumir riscos e empreendedorismo ocorreu no século XVII, onde era estabelecido um acordo entre governo e empreendedor para execução de serviço ou fornecimento de um produto. Com preços prefixados, os lucros ou prejuízos provenientes destas transações, eram atribuídos exclusivamente aos empreendedores.

    De acordo com Hisrich (2004), um empreendedor desse período foi John Law, francês que conseguiu permissão para estabelecer um banco real. O banco evoluiu para uma franquia exclusiva, formando uma empresa comercial no Novo Mundo – a Mississippi Company. Infelizmente, esse monopólio sobre o comércio francês levou à ruína de Law quando este tentou aumentar o valor das ações da empresa para mais do que o valor de seu patrimônio, levando a mesma ao colapso.
    Richard Cantillon, importante escritor e economista do século XVII, foi considerado por muitos como um dos criadores do termos empreendedorismo, tendo sido um dos primeiros a diferenciar o empreendedor – aquele que assumia riscos – do capitalista – aquele que fornecia o capital (DORNELAS, 2001).
    Cantillon descreveu o empreendedor, como alguém que corria riscos, através da observação dos comerciantes, fazendeiros, artesãos e outros proprietários individuais “compram a um preço certo e vendem a um preço incerto, portanto operam com risco” (HISRICH, 2004, p. 28).
    Mais tarde, por volta de 1765 o termo começou a ser utilizado na França para designar aquelas pessoas que se associavam com proprietários de terras e trabalhadores assalariados.
    Nessa mesma época, o termo era também utilizado para denominar outros aventureiros, tais como: construtores de pontes, empreiteiros de estradas ou arquitetos.
    Provavelmente com o início da industrialização, ocorrida no século XVIII, o capitalista e o empreendedor foram finalmente diferenciados. Thomas Edison, pesquisador da eletricidade e química, somente pode desenvolver seus experimentos com o auxílio de investidores, os quais financiavam seus projetos.
    Thomas Edison era usuário de capital (empreendedor), e não fornecedor (investidor de risco). Um investidor de risco é um administrador profissional do dinheiro que faz investimentos de risco a partir de um determinado valor de capital próprio para com isso obter uma alta taxa de retorno sobre o investimento.
    Por volta de 1800, o economista francês Jean Batist Say utilizou novamente o termo empreendedor em seu livro Tratado de Economia Política. O empreendedor definido por Say (apud DRUCKER, 1987) é o responsável por “reunir todos os fatores de produção e descobrir no valor dos produtos a reorganização de todo capital que ele emprega, o valor dos salários, o juro, o aluguel que ele paga, bem como os lucros que lhe pertencem”. O mesmo autor apresentou alguns requisitos necessários para ser empreendedor como: julgamento, perseverança e um conhecimento sobre o mundo, assim como, sobre os negócios. Deveria também, segundo ele, possuir a arte da superintendência e da administração.
    Contudo, foi a Inglaterra o país que mais dedicou esforços para definir explicitamente a função do empreendedor no desenvolvimento econômico. Dentre os ilustres teóricos que ofereceram uma grande contribuição para o entendimento do fenômeno do empreendedorismo ressalta-se, Adam Smith e Alfred Marshall. Adam Smith caracterizou o empreendedor como um proprietário capitalista, um fornecedor de capital e, ao mesmo tempo, um administrador que se interpõe entre o trabalhador e o consumidor.
    O conceito de Smith refletia uma tendência da época de considerar-se o empreendedor como alguém que visava somente produzir dinheiro.
    Entretanto, o empreendedor foi descrito pelo economista inglês Alfred
    Marshall como alguém que se aventura e assume riscos, que reúne capital e o trabalho requerido para o negócio e supervisiona seus mínimos detalhes, caracterizando-se pela convivência com o risco, a inovação e a gerência do negócio.
    No final do século XIX e início do século XX, de acordo com Dornelas (2001) os empreendedores foram confundidos com gerentes ou administradores, vigorando esta concepção sob o enfoque econômico até os dias atuais, sendo os empreendedores definidos como aqueles que organizam a empresa, pagam os empregados, planejam, dirigem e controlam as ações desenvolvidas na organização, mas sempre a serviço do capitalismo.
    Andrew Carnegie é um do melhores exemplos dessa definição, pois não inventou nada, mas adaptou e desenvolveu nova tecnologia na criação de produtos para alcançar vitalidade econômica. Escocês de origem pobre, fez da indústria de aço uma das maravilhas do mundo industrial, através de sua incessante busca por competitividade, ao invés da inventividade ou criatividade (HISRICH, 2004).
    Somente em 1911, com a publicação da obra Teoria do Desenvolvimento Econômico de Joseph A. Schumpeter, é que a conotação de empreendedor adquiriu um novo significado.
    Segundo Schumpeter (apud DEGEN, 1989) “o empreendedor é o responsável pelo processo de destruição criativa, sendo o impulso fundamental que aciona e mantém em marcha o motor capitalista, constantemente criando novos produtos, novos métodos de produção, novos mercados e implacavelmente, sobrepondo-se aos antigos métodos menos eficientes e mais caros”. A definição de empreendedorismo em nível de mundo é antiga, entretanto houveram várias interpretações para o tema desde a concepção de empreendedor como ser social que fugia dos padrões determinantes, até aquele ser extremamente importante para o desenvolvimento econômico e social da humanidade, visão atual.
    Hoje não poderíamos admitir uma sociedade sem o empreendedor.

    Digite os números da imagem ao lado:

    Comentar
    • Imagem Usuário

      erik:

      28/01/2010 às 21h36
      Ficou legal super 10 é muito interessante esse site .bem bolado....!!

Home |  Blog Grátis |  Hospedagem HTML Grátis |  Quem somos |  Parceria |  Anuncie |  Ajuda
Trabalhe no XPG |  Política de Privacidade |  Política de Segurança |  Denúncia © 2004-2014 XPG | Siga esta corrente